Dragon ball B.T.U

O Universo não é o limite

Episódio 103: Voltando no Tempo – Parte 3

Posted by gabrielr15 em outubro 23, 2011

No episódio Anterior: Slave decidiu libertar Levinda de sua prisão e após ver que ela era uma Super Sayajin resolveu que teria seu filho com ela, para que ele pudesse ter o poder de se tornar Super Sayajin também. A pergunta que ficou no ar é, Levinda vai aceitar, ou morrer?

(Slave) – Vamos Levinda, não é uma escolha tão ruim sobreviver, só terá que cuidar de uma criança enquanto vaga pelo universo destruindo mundos. Te garanto que ninguém em nenhum desses planetas matará ele.

(Levinda) – Jurei que se fosse para criar um guerreiro de classe baixa, eu nunca teria um filho…

(Slave) – E o que é um guerreiro de classe baixa?

(Levinda) – Um sayajin que nasce com menos de 1000 de poder é classe baixa, de 1000 a 4000 é classe média e acima disso é classe alta…

(Slave) – Vocês contam o poder das pessoas ao nascer?

A risada de Slave deixou Levinda enlouquecida.

(Levinda) – Nasci com 9000 de poder e olha o que tenho hoje…

(Slave) – Já vi criaturas nascerem com 1 de poder e se tornarem bem mais fortes que você, no meu tempo de vigia. Mas acredito que um filho meu não nasça com menos de um milhão…

(Levinda) – Um milhão?

(Slave) – Mais ou menos, eu nasci com dois milhões…

Levinda deu um passo para trás horrorizada.

(Levinda) – Qual é o seu poder?

(Slave) – Agora, que estou ferido, não tenho certeza, mas quando eu recuperar meu poder total, cerca de 7 trilhões…

Levinda tornou-se Super Sayajin novamente e se pôs em posição de combate.

(Levinda) – 7 trilhões, só pode ser brincadeira, nada nem ninguém pode ir tão longe…

(Slave) – Nisso concordamos… Mas alguém juntou 1 trilhão de poder e me libertou de minha prisão, então talvez eu esteja errado quanto o que ou não possível nesse universo. A questão é que se eu tiver um filho, ele não ficará tão forte quanto eu, mas se ele ficasse, seria um problema para mim. Só quero alguém pra me ajudar no meu objetivo e caso eu seja apagado da existência no caminho, para continuar meus objetivos.

(Levinda) – Qual o seu objetivo?

(Slave) – Matar Kakarotto, aquele com o poder de destruir o universo e dominar ele logo em seguida… Agora quero te fazer uma pergunta, a poucos momentos eu disse que você tinha uns 12 milhões de ki, mas agora você liberou 15 milhões. A pergunta é, você não estava liberando todo o seu poder?

(Levinda) – Estava, mas você quase me matou e sempre que um Sayajin chega a beira da morte e se recupera, seu poder de luta aumenta.

(Slave) – Mais uma boa qualidade para um filho meu, então qual a sua resposta? Quer ou não ter um filho comigo?

(Levinda) – E o que eu ganho com isso?

(Slave) – Bom… Deixarei você destruir o planeta que quiser, não estou interessado em planetas com criaturas com poder inferior ao seu, então poderá se divertir a vontade.

(Levinda) – Mas você quer que eu crie a criança por que não ficará aqui. Aonde está indo?

(Slave) – Planeta Terra…

(Levinda) – Ah sim, a terra. Habitada por criaturas com tão pouco poder… Decidimos que quando as criaturas lá se tornarem adversário a altura, mandaríamos um guerreiro de classe baixa para lá. Mas se ela ainda está lá, não deve ter ninguém tão forte…

(Slave) – Lá tem focos de poder que superam os 250 bilhões.

(Levinda) – Mas como um povo tão fraco se tornou tão poderoso?

(Slave) – Não tenho certeza, mas pelo o que vi em você, seu corpo é um dos poucos que pode agüentar tanto poder. Acredito que deva ter criaturas como você lá.

(Levinda) – Sayajins? Na terra? Faça-me o favor, não ficaríamos lá, venderíamos o planeta, ou o destruiríamos…

(Slave) – Não se os Sayajins na Terra fossem do bem, e é o que eu acredito que sejam.

(Levinda) – Sayajins do bem?

(Slave) – Não quero discutir noções de bem ou mal nas espécies do universo, quero saber se topa ter um filho meu.

(Levinda) – Aqui? Agora?

(Slave) – Não sou como os seres machos de seu planeta, a resposta é sim ou não?

Levinda ficou observando ele e seu fogo sayajin desapareceu. Estudou Slave com os olhos por alguns minutos antes de responder:

(Levinda) – Pode ser.

Slave sorriu e levantou a mão. Uma esfera de energia se criou nela, mas não parecia ki para ataque, era diferente, ela pulsava quase como um coração.

(Levinda) – O que é isso?

(Slave) – Minha raça produz os filhos usando essa esfera, vou ver se consigo apenas produzir um espermatozóide.

A esfera continuou batendo como um coração por alguns instantes, até que se rasgou e uma pequena bolinha de energia ficou flutuando no ar. Slave observou-a com toda a sua atenção por alguns instantes, o que ele achava difícil quando se era onisciente, e achou que estava boa. Apontou o dedo para a barriga de Levinda e a esfera saltou entrando dentro dela sem a ferir.

(Slave) – Está grávida, não sei quanto tempo seu povo demora para gerar uma criança, mas acredito que demore um pouco menos, então cuide do meu filho e diga a ele que ele deve treinar e ser forte, e se eu não voltar, o alvo dele é a Terra.

 

Será que deu certo mesmo? Será que Slave teve um filho? E o que acontecerá com esse filho?

Não deixem de conferir o próximo episodio de DragonBall BTU v2: “O Torneio de Artes Marciais”.

Anúncios

6 Respostas to “Episódio 103: Voltando no Tempo – Parte 3”

  1. Wenerson fanatico said

    Bem legal essa nova historia que você esta fazendo, até parece que alguém esta fazendo uma nova história para a que você fez.
    Está bem legal parabéns é só nao avacaia tudo depois k ta legal.

    • gabrielr15 said

      Defina “avacaia”.
      A essa altura acredito que já ficou meio definido que o tal filho de Slave será um inimigo.
      não entendi o que quer dizer com avacalhar. O modo de escrita? Eu sei que variei um pouco do padrão que sempre usei, mas faz parte. DBZ mesmo era bem paradão.
      Quero ver se vou explorar a fundo novas possibilidades. O filho de Slave é apenas uma ideia que me ocorreu, mas fora ele parece meio impossível termos monstros mais fortes, por isso quero ver se exploro melhor o que já temos. Quero dizer desde o primeiro DBZ tinha criaturas do mal procurando a imortalidade, será que não seria legal criar um inimigo que não possa morrer nunca?
      Bom, não sei, aguardo seu comentário de retorno antes de postar o próximo capitulo. e estou aceitando sugestões.

      • No contexto que criei avacalhar é se você fugisse um pouco da essência do grande pretexto que você começa antes de qualquer capítulo DBZ.

        Parece legal o tal filho de Slave, e acho que você não deve “avacalhar” pois em pouquíssimos episódios você fugiu do tal pretexto dbzmaniaco.

        Acho que você não falhará pois sempre vem me encantando(de um outro jeito) com suas histórias que vem depois da saga GT.
        Acho que será uma saga legal e que você está no caminho certo mas o caminho pode ter buracos e cuidado com eles porque dragonball é uma coisa muito grande pra ser escrita de uma forma desleixada(não que você tenha feito isso) e até por isso nem me atrevo a fazer pois deixará uma imagem ruim ao grande anime.

        Desculpe pelo comentário pois foi só de “zoeira” mesmo.
        Aqui por curiosidade onde você mora?E qual sua idade?Tenho 13 anos moro em BH.

        ATENCIOSAMENTE,SUPER FÃ DRAGON BALL…

        Há depois coloca umas imagens do filho do Slave e da Levinda quando a história for se prosseguindo.

  2. Wenerson fanatico said

    Escreve mais episodios mais rapido um pouco.

    • gabrielr15 said

      Vou tentar, estou repensando meu modelo de saga, eu parei pra ler todo o final do BTU e achei outra brecha pra fazer outro inimigo, mas tenho medo de parecer um pouco repetitivo.

      Eu também queria fugir do esperado, quero dizer, até agora quando se começa uma saga todos já sabem qual o problema dela e quem é o inimigo, eu queria dar uma mudada nisso.

      Respondendo a sua outra pergunta: tenho 18 anos e moro no RS

      • Wenerson fanatico said

        Para não ficar repetitivo tente não deixar a história de transformar em um novo nível e ganhar do inimigo, porque fica chato você transforma ganha,custa transformar mesmo assim transforma ai ganha mesmo com um pouco de esforço.
        Mas acho que isso não deverá acontecer porque você não cometeu esses erros.
        Porém mesmo assim cuidado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: