Dragon ball B.T.U

O Universo não é o limite

Archive for agosto \18\UTC 2012

Episódio 116: Viverus contra Select: Quem sairá vencedor?

Posted by gabrielr15 em agosto 18, 2012

(Select) – Do que você está falando? Eu te libertei, deveria me agradecer por isso!

(Viverus) – Eu agradeço, mas isso não muda o fato de que quero lutar contra você. Tente me entender, fazem milênios que não tenho um adversário digno. Você tem o mesmo poder que eu. Vai ser divertido, vamos lá.

(Select) – Se é o que você diz, vai ser interessante testar sua imortalidade sob pressão.

Select ainda estava em sua forma sayajin, mas ele sabia que seu poder havia diminuído graças ao esforço que ele havia tido para destruir o casulo. Se entrasse em combate agora, ele provavelmente perderia, ele tinha que tomar uma providência para se recuperar e rápido.

(Select) – Mas você quer que eu lute com todas as minhas forças?

(Viverus) – Claro que sim, meu caro amigo.

(Select) – Então, você me desculpa, mas vou precisar descansar um pouco.

E Select saiu de sua forma sayajin.

(Viverus) – Bom, eu tenho todo o tempo do universo. Vou aproveitando para me alongar enquanto isso.

E então Viverus desapareceu. Ele simplesmente havia voado em alta velocidade sabe-se lá para onde. Apesar de Select ter os mesmos poderes que seu pai, ele não havia aprendido a onisciência, então mesmo tendo a capacidade de ver tudo ao seu redor ao mesmo tempo, ele não sabia fazer isso.

Select aterrissou no chão da caverna e ficou apenas tentando controlar sua respiração que estava alterada com o ataque que ele fizera, apesar de ele não precisar de oxigênio, a entrada de ar oxigenado em seu corpo lhe dava uma sensação muito boa, e o ajudava a se recuperar de seus embates.

(Select) – Realmente, quebrar esse casulo foi muito difícil. Com essa força, não serei capaz de quebrar os próximos casulos de forma alguma e não conseguirei libertar os imortais e me tornar um deles.

Select ficou ali descansando por pelo menos duas horas, antes de se reerguer e então se colocar em posição de combate.

Então ele liberou sua forma sayajin. Seu poder era surpreendente, mas não o suficiente, então ele liberou aquela forma que ele sabia que superava o super sayajin, a sua segunda forma de poder. Seu poder cresceu consideravelmente, mas ainda não era o bastante, era apenas a energia necessária para lutar corpo-a-corpo contra Viverus no mesmo nível.

(Select) – Preciso aumentar meus poderes.

(Viverus) – Eu percebi.

Select se virou assustado, ele não havia pressentido o retorno de Viverus.

(Select) – Você está me menosprezando, sabia disso?

(Viverus) – Estou te superestimando, meu caro amigo. Seu poder é bom, mas não o suficiente para cumprir seu objetivo. Mas felizmente, existem muitas formas de se aumentar o próprio poder em pouco tempo, e muitas delas são muito eficientes.

(Select) – Você parecer saber muito bem…

(Viverus) – Sim, eu cheguei ao poder que tenho, graças a inúmeros treinamentos de aumento de poder, e conheço inúmeras fórmulas que permitiriam qualquer um a aumentar de poder exponencialmente. Se me vencer, talvez eu lhe mostre algumas.

Select então atacou. Foi instantâneo, seu golpe acertou Viverus em cheio que foi lançado contra a parede da caverna, e atravessou-a saindo para a estratosfera do planeta após arrebentar dezenas de quilômetros das profundezas do planeta.

Quando chegou ao espaço, Viverus recebeu outro golpe diretamente na cabeça dado por um Select certeiro e mortal. Qualquer ser mais fraco que Seraphium não só teria a cabeça explodida, como os pedaços do corpo iriam se incinerar ao cruzar a imensidão do espaço, rompendo inúmeras atmosferas.

Mas Viverus apenas teve a orelha destroçada e em menos de um milésimo de segundo ela já estava inteira e Select havia sido cortado ao meio.

Um milésimo de segundo depois, os cabelos de Select se enrolaram em torno do pescoço de Viverus e apertaram com força para arrebentar a cabeça fora, mas falhou, pois quando os cabelos concentraram energia o suficiente, Viverus cortou eles com as próprias mãos.

Então Select golpeou Viverus diretamente em seu rosto com toda a força que pode reunir e lançou um golpe de ki. Através dos dedos fechados.

Viverus desapareceu em meio ao ki em combustão e após um segundo inteiro, ele saiu do meio do ki e deu um cabeçada com força em Select, que foi lançado em linha reta contra um planeta. Ele não apenas atravessou esse planeta, como atravessou mais cinco planetas antes de conseguir parar e voltar ao ataque contra Viverus, mas esse foi mal sucedido novamente. Quando Select chegou em Viverus, este estava com a mão para frente pronto para lançar um golpe de ki.

(Viverus) – Não foi o suficiente.

E então um poder gigantesco saiu da mão estendida de Viverus e atingiu Select em cheio que desapareceu no ki em combustão. Quando o ki se desfez por completo, Select ficou pairando no vazio, com um braço a menos, com o outro pela metade, e ambas as pernas pela metade. Seu cabelo estava cortado de forma estranha e mudou do dourado para o vermelho em questão de menos de um segundo.

Select cuspiu seu sangue misturado com ki liquido. Ele tentou se mover e deu uma inspirada profunda em busca de ar, mas falhou miseravelmente, não apenas por não haver ar no espaço, mas por seu pulmão estar em mãos lençóis.

(Select) – Que inferno.

Apenas os lábios se moveram. No espaço o som não se propaga, a menos que o som seja causado por ki, aí sim as ondas de ki levam o som aos outros. O mesmo ocorre nas palavras, no espaço apenas pelas ondas de ki pode-se propagar o som e Select não tinha energia o suficiente para propagar o som por ki. Ele estava quase cego e quase surdo também.

Lentamente, ele começou a se curar. Ao contrário de seu pai que era feito de puro ki, ele tinha carne, mas sua carne não era como a dos sayajins, ela havia ki entranhada nela, ki que jamais ia ao centro do ki. Esse ki estava ajudando a carne a se recompor, mas muito lentamente.

(Viverus) – Não. Acabou.

Viverus estava na frente de Select e cuidou para enviar o som especificamente pelo buraco do ouvido inteiro de Select. Select tentou se mover para se defender, mas não conseguiu.

(Select) – Como?

Novamente apenas os lábios se moveram.

(Viverus) – Se temos o mesmo poder? Fácil. Apesar de termos o mesmo poder, a cada golpe que você dá, você fica mais fraco, e a cada golpe que eu recebo e me recupero, eu também fico mais forte. Uma particularidade de meu povo, é que a cada golpe com poder igual ao nosso ao quase igual que recebemos, é como se absorvêssemos uma parte da energia e pudéssemos guardar para lançar contra nosso adversário logo em seguida.

(Select) – Então, você não é mais forte que eu, apenas lançou seu poder e um pouco do meu contra mim?

(Viverus) – Sim. Mas agora nesse estado que você está, sou mais forte. E eu sei que seu corpo sempre que chega próximo a morte e se recupera completamente, aumenta o poder de forma incrível, mas eu não deixarei você me passar dessa forma. Adeus.

Viverus levantou a mão para eliminar completamente Select, mas se lembrou de algo no ultimo instante.

(Viverus) – Onde estão meus irmãos?

(Select) – Terra. Próximo ao centro do universo. Ao noroeste a partir daqui.

(Viverus) – Obrigado. Adeus. Foi bom lutar contra você.

E então Viverus lançou o golpe final de ki eliminando Select completamente.

(Viverus) – Terra, ou o que sobrou da galáxia onde ela estava, ai vou eu.

E Viverus começou a longa viagem na direção noroeste em alta velocidade.

Não percam o próximo episodio de DragonBall BTU v2: “Select e Goku”

Posted in 6 - Saga dos Imortais | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 Comment »

Episódio 115: O monstro com mesmo poder que Select: Viverus

Posted by gabrielr15 em agosto 10, 2012

Select cortava o vazio quase infinito do cosmo, rumo ao planeta-casulo do terceiro imortal.

Seus pensamentos estavam bem longes de sua missão. Seu foco era o homem que o olhara no inferno. Por mais fraco que o homem parecia ser se comparado a ele, Select sabia que ele estava escondendo seu poder e que era muito poderoso, e não apenas isso, ele sabia que aquele homem emanava energia boa e não energia maligna, então porque ele estava no inferno? O que isso significava?

E o pior era a forma como o homem o olhara. Ele estava intrigado, parecia que conhecia Select, ou tinha visto algo familiar nele.

Será que ele conhecera seu pai? Será que aquele homem teria conhecido Slave em uma das vezes que Slave morreu? Ou quem sabe até no mundo dos vivos? E quem sabe até na Terra?

E então Select estacou. O deslocamento de energia provocado pela sua viagem fez seus cabelos voarem para frente. Seu olhar era de alguém apavorado.

O homem possuía cabelos prateados e um fogo prateado em torno de si. Fogo de energia era sinal de transformação de ki, e Select possui uma, se chamava Super Sayajin. E aquela apesar de ser diferente na cor, parecia ser a mesma transformação pelo qual ele passava. Será que aquele homem era um sayajin como sua mãe? Será que aquela era uma das fases seguintes do Super Sayajin? Até agora Select só tinha conseguido liberar a fase 2 e ele sabia que se havia uma segunda fase, haveriam mais. Sua mãe não soube lhe explicar isso muito bem, pois no tempo dela era raro um super sayajin comum aparecer, quem dirá um com uma segunda transformação.

Ele precisava descobrir quem era aquele homem, a chave de tudo era ele, isso Select tinha certeza. Aquele homem era muito importante nessa história toda, e algo lhe dizia que era um sayajin e que ele conhecera seu pai. Talvez estivesse no inferno, até porque seu pai o matou. Quem sabe?

Então Select começou a voar novamente em alta velocidade. O planeta-casulo não devia estar muito longe agora, e logo ele liberaria Viverus.

Viverus. Esse sim tinha grandes histórias. Cada um dos imortais tinha sua característica dominante.

Seraphium era, sem nenhuma palavra melhor para descrever, mole. Apesar de ser implacável, odiava ser imortal e tinha inveja dos mortais.

Pandora era cruel. Nada nem ninguém jamais amoleceram seu coração de pedra. Ela matava e destruía e ponto. Não havia nem mais nem menos.

Viverus já era diferente. Ele era centrado. Calculista. Enquanto os outros dois se deixavam levar por suas emoções exageradas, Viverus não se deixava abalar por nada. Era implacável também, mas muito mais forte que os outros dois.

E ele tinha um propósito. Isso o diferenciava dos outros. Ele aceitou a imortalidade por seu propósito. Ele tinha tomado esse destino para vingar sua família que foi morta por um guerreiro muito poderoso. Como a espécie desse guerreiro podia viver milhares de anos e como ele era muito forte, Viverus buscou a imortalidade para enfrentá-lo e matá-lo para concluir sua vingança.

Mas ele falhou. Esse guerreiro, também se tornou um imortal. Eles batalharam durante séculos, e no final chegaram a um acordo diplomático. Quando um descobrisse como anular a imortalidade, eles voltariam a lutar. Viverus buscou nos quatro cantos do universo uma forma de morrer, e conseqüentemente do outro morrer também.

Interessante a história para Select, apesar dele não entender porque ele buscava algo que podia matá-lo também, lhe agradava a idéia do vingador imortal, porque por menos que ele admitisse, ele também queria se vingar por seu pai. Era seu objetivo com todo esse plano elaborado pela imortalidade.

Select e Viverus eram parecidos em seus propósitos. Cruéis e vingativos.

E então ele viu o planeta no seu campo de visão aumentado graças ao ki. Em cerca de 30 segundos chegaria nele. Um planeta congelado, esquecido na borda ocidental de uma galáxia morta.

Ele aterrissou em sua superfície e viu o que há muitos séculos poderia ter sido um planeta habitável. Ele apontou a mão para o chão e lançou um golpe de ki. A energia criou uma cratera e depois escavou ao fundo do planeta. Após alguns segundos ela retornou, e Select se desviou dela.

Ele entrou algumas centenas de quilômetros ao fundo do planeta e chegou ao grande casulo. Foi até o ponto com o buraco e se anunciou.

(Select) – Olá Viverus, aqui quem vos fala é Select, filho de Slave. Vim libertá-lo para conseguir a imortalidade.

(Viverus) – Olá Select. Realmente se acha capaz de me libertar?

(Select) – Sim. Eu…

(Viverus) – Sabe que precisa libertar nós cinco para se tornar imortal?

(Select) – Sim, eu…

(Viverus) – E já libertou algum outro?

(Select) – Não vai me desdenhar como os outros?

(Viverus) – Desdenhar? Então você realmente foi capaz de libertar Pandora?

(Select) – Não apenas Pandora, mas Seraphium também.

(Viverus) – Interessante. Aparentemente o universo mudou nesse tempo todo. Sabe que os casulo tem nosso poder, não sabe?

(Select) – Sei.

(Viverus) – E sabe que seu poder máximo é igual ao nosso, pois atingimos o poder máximo?

(Select) – O lacre do ki foi desfeito. Não existem mais limites de poder.

(Viverus) – Interessante. Se for assim, me diga, você é então mais forte que os outros dois imortais que libertou?

(Select) – Sim.

(Viverus) – Sabe que o casulo é feito do poder de quem está aprisionado nele?

(Select) – Também sei disso.

(Viverus) – Então sabe que terá que ter um poder no mínimo igual ao meu para poder romper o casulo. E já vou avisando que tenho muito mais poder que os outros dois. Não será tão fácil romper meu casulo.

(Select) – Vou tentar.

E Select se tornou Super Sayajin. E logo em seguida Super Sayajin 2. Ele apontou a mão para o casulo de esfera azul e lançou o seu golpe mais poderoso contra as paredes do casulo. Ondas de energia começaram a sair por toda a esfera e o poder começou a ser refletido e ao contrário do ataque a esfera de pandora, o poder refletido não foi facilmente revertido para a esfera. Select estava começando a perder contra seu próprio poder que estava se expandindo rapidamente.

(Select) – O Que está acontecendo? Como não sou capaz de romper essa esfera!

(Viverus) – Você se baseou muito em sua auto-confiança, e não percebeu que eu sou mais forte que você.

E então a esfera inteira brilhou e lançou um grande poder de volta contra Select. Então ele revidou lançando todo o seu poder. Nunca antes ele teve de se esforçar tanto, e mesmo assim a esfera lançava ki de volta.

Então chegou um ponto que uma esfera de ki em combustão se formou no meio do caminho entre Select e o casulo. A esfera de ki estava dividida exatamente ao meio, mas lentamente o lado de Select diminuía. Na velocidade que estava, demoraria no mínimo duas horas para Select morrer.

(Viverus) – Interessante, na verdade nós temos o mesmo poder pelo o que parece.

(Select) – E como posso te libertar assim?

(Viverus) – Eu vou me ferir mortalmente e meu poder vai diminuir por um milésimo de segundo, então você ganha. Quando digo um milésimo, estou falando um milésimo mesmo e vai diminuir apenas umas dez ou vinte mil unidades de ki.

Então a esfera de Viverus foi tomada pelo poder de Select que foi contra o casulo e o explodiu.

Viverus caiu no chão e olhou diretamente para Select. A mão de Viverus estava encravada em seu próprio peito, e o resultado era estranho. O peito se reconstruía e explodia a mão dele, que por sua vez se reconstruía e explodia o peito, e assim num circulo sem fim.

(Select) – Bem vindo Viverus.

(Viverus) – Bem, agora está na hora de lutarmos. Só lhe ajudarei se me derrotar. Mesmo se libertar os outros e não me derrotar, não haverá imortalidade para você.

Não percam o próximo episodio de DragonBall BTU v2: “Viverus contra Select: Quem sairá vencedor?”

Posted in 6 - Saga dos Imortais | Leave a Comment »

A História de cada Imortal

Posted by gabrielr15 em agosto 3, 2012

Olá

Estou passando para dizer que quando comecei a escrever essa saga, meu objetivo era totalmente diferente do rumo que ela está tomando. Essa saga era para ser voltada a Select, uma batalha sem precedentes contra o semi-imortal filho de Slave.

Lá pelo meio do caminho, a idéia dos imortais simplesmente brotou e ao invés da imagem de Master falar que Select estava indo para a Terra, a imagem revelou a história desses imortais.

Desde o começo eu pintei eles como monstros sem coração, e eles o são. Mas existe um motivo pra cada um dos cinco chegarem a onde chegaram. Seraphium tinha medo da morte, Pandora será explicado em breve. O próximo imortal Viverus, vai mostrar um outro motivo para se tornar imortal. Ele não virou imortal por ter medo da morte, ele se tornou imortal para concluir um objetivo e por mais estranho que pareça, ele busca uma forma de matar os imortais.

O que estou dizendo, é que essas idéias malucas simplesmente brotam e que vão ter algumas reviravoltas logo em seguida na história.

Goku vai dar as caras em um dos próximos episódios, e os próximos 3 episódios não serão focados na batalha de Seraphium e sim no próximo imortal a ser libertado, sua história e um combate bem interessante, que vai mostrar que Select está mexendo com coisas que não devia.

Se alguém tiver alguma sugestão, pode ser qualquer coisa, desde um “não gostei dessa parte”, até um “cara, eu tenho uma ideia incrível para o próximo imortal, ele deve ser…” estou receptivo. Só comentar aqui em baixo desse post ou no episódio principal da home page que eu vou ler e vou responder.

Segue abaixo o próximo episódio.

Abraços,
GabrielR15

P.S. O ritmo da história está mais paradão que o que eu usava antigamente, porque várias vezes me reclamaram que muita coisa acontecia em um mesmo episódio, e que muitas coisas aconteciam em um intervalo de 2 ou 3 episódios, muitas transformações sayajin e soluções rápidas. Além do mais no Dragon Ball original, qualquer coçada de nariz durava cinco episódios e qualquer cinco minutos era na verdade vinte episódios. E os últimos da batalha de Slave foram um sucesso, com a Genki-Dama que durou vários episódios como no anime.

Posted in 6 - Saga dos Imortais, Dragon Ball BTU v2 - Avisos | 1 Comment »

Episódio 114: Surge Niko5

Posted by gabrielr15 em agosto 2, 2012

Seraphium olhou para todos os guerreiros sem entender por um instante.

Se havia alguma coisa que um imortal não conseguia processar de forma nenhuma, era a ressurreição. Para ele, um ser deveria desaparecer com a morte e ponto final. O garoto havia feito isso e agora esses outros guerreiros também. O que aconteceu nesses anos todos que ele tinha ficado aprisionado? A morte deixou de se tornar definitiva? No tempo dele quem morria não voltava mais. Todos temiam a morte.

(Seraphium) – Como vocês podem voltar?

(Nº 5) – Existem sete esferas, as esferas do dragão, que realizam qualquer desejo de quem as possua. Com elas podemos nos reviver sempre que somos mortos.

(Nº 10) – A única desvantagem é que a cada três desejos elas são espalhadas pela galáxia e ficam um tempo sem poder ser usadas.

(Seraphium) – E porque vocês não as utilizaram de uma vez para ficarem imortais?

Niko balançou a cabeça. Os andróides encararam o imortal. Piccolo se pronunciou.

(Piccolo) – A imortalidade é contra todas as leis da natureza. Mesmo que isso pudesse ter evitado diversos problemas e situações terríveis em que estivemos, jamais sequer pensamos em fazer isso e mesmo assim sempre sobrevivemos. A verdadeira imortalidade não é não poder morrer como você, mas sim lutar cada dia para viver.
E quando morrer, ser lembrado por aqueles que sobreviveram. Atinge a imortalidade, apenas quem vive dentro dos corações dos outros depois que parte.

(Seraphium) – Comovente.

(Niko) – Não é nada que você entenderia.

(Seraphium) – Exatamente, eu nunca morri.

(Niko) – Não foi isso que eu quis dizer. Provavelmente não há ninguém nesse universo que vá lembrar de você quando você morrer. Ninguém para você ficar no coração.

(Seraphium) – Isso não é um problema, eu não vou morrer jamais.

(Nº 10) – Sabemos disso, você vai desaparecer.

(Seraphium) – Muito improvável.

(Goku) – Amigos, se apressem!

Todos olharam para cima novamente, inclusive Seraphium. Ele não estava entendendo essa voz. Quem estava conversando com eles, que não possuía poder algum?

(Goku) – O Sr. Kaioh disse que algo está se aproximando da galáxia do norte em alta velocidade. Em poucos minutos, entrara no campo de ki que vocês podem sentir. Eu não posso falar muito mais tempo, apenas apressem-se e ganhem a luta…

(Seraphium) – Chega de tudo isso.

Mas apesar de não querer demonstrar, Seraphium estava apavorado. Ele sabia que provavelmente Pandora estava indo ao encontro deles e por mais que ele quisesse juntar o grupo dos imortais, ele não gostava de nenhum dos outros. Dos cinco ele era o único que sentia falta de todos que ele conhecia e amou que já desapareceram. Era o único que sentia inveja dos vivos, por poderem morrer e se encontrar seja lá onde os mortos fiquem.

(Nº 5) – Eu concordo.

Nº 5 passou para a forma Ultimate, liberando todo o seu poder de uma vez só. Ele estava pouco abaixo do poder hediondo de Seraphium. Ele possuía 80% do poder do monstro.

(Nº 5) – Mas eu quero lutar com você sozinho.

(Nº 10) – O que você está dizendo?

(Nº 5) – Em exceção da luta contra Freeza, eu nunca lutei antes fundido, e por mais que eu tenha me fundido nos treinamentos, eu prefiro lutar com meu próprio poder. Sei que talvez eu não tenha chance, mas eu vou ao menos tentar. Eu tenho um pouco do poder de todos aqui, em exceção dos garotos, e herdei a capacidade de aumentar o poder de cada um de vocês. Meu poder cresce a uma razão muito maior que a de vocês, porque soma as energias de vocês todos. E eu vou tentar ganhar a qualquer custo.

(Seraphium) – Quer morrer?

(Nº 5) – Não se exalte muito, se o bicho pegar de verdade, eu me fundo e acabo com você.

(Seraphium) – Vamos testar seus limites então, mortal.

E Seraphium sorriu. No planeta de origem dele, ele era um lutador. Ele tinha paixão pelas lutas que a muitos anos ele perdera, mas agora aquela sensação boa de lutador estava preenchendo ele novamente. Quando ele matou Nº 5, toda a energia negativa tinha sumido dele e ele pela primeira vez em tanto tempo estava em paz, sem a dor consumindo-o. Mesmo sem querer, ele estava ficando mais gentil.

E o ataque começou. Nº 5 e Seraphium começaram um combate corpo a corpo inimaginável. Nº 5 utilizava o mesmo estilo de Vediho de lutar, enquanto os movimentos de Seraphium eram mais frios e mais calculistas, mas havia animação neles, uma animação que não havia antes e por mais que os presentes não entendessem, eles estavam lutando no mesmo nível. Seraphium havia diminuído seu poder. Mas por quê?

(Nº 5) – Pare de brincar comigo, BIG BANG KAMEHAMEHA!!!

E o poder do andróide atingiu Seraphium em cheio que desapareceu em meio ao ki em combustão que ficou explodindo em pleno ar por alguns instantes, então todo o ki explodiu para fora e por pouco não atingiu o robô. Os restos do poder atingiram o solo do planeta por toda a parte, sem causar nenhum arranhão.

Seraphium voou e bateu com tudo na cara de Nº 5 arrancando sua cabeça. O corpo do andróide em pleno ar se desmontou por inteiro e se remontou com a cabeça no lugar e com o braço em torno do pescoço de Seraphium. Nº 5 então o arremessou contra uma montanha e o mesmo se chocou com toda a força se rachando por inteiro. No instante que as rachaduras se fecharam, Nº 5 chegou e enfiou um soco diretamente contra a cabeça da Seraphium, explodindo-a e explodindo a própria mão contra a montanha indestrutível.

Com a mão inteira, o robô encheu o corpo do imortal de milhares de golpes por milésimo de segundo, causando diversos pontos de rachadura por sua superfície enquanto a cabeça se refazia. Mas Seraphium ficou novamente indignado.

(Seraphium) – COMO OUSA SEU LIXO HÍBRIDO ELETRÔNICO E ORGÂNICO!

E então Seraphium criou uma esfera de ki em sua mão que cresceu exponencialmente. Quando ela tomou todo o céu acima deles ele a comprimiu, tornando-a menor que uma bola de futebol, então ela começou a crescer novamente.

Nº 5 se afastou o máximo que pode ao perceber o que Seraphium ia fazer. Se aquele ataque se efetivasse, provavelmente seria o seu fim e todos os que ali estavam. Seraphium estava criando um golpe de ki com todo o seu poder, ou seja o suficiente para matar a si próprio se não fosse imortal.

(Seraphium) – Eu digo que se quer mesmo lutar e sobreviver, se junte ao outro senão não vai poder enfrentar esse golpe. Eu demorei séculos para aperfeiçoá-lo e quando concluído, nada vai restar num raio de uma galáxia, em exceção talvez desse planeta.

Todos ficaram preocupados. Eles ainda estavam na galáxia do norte, e se ela fosse completamente destruída talvez chegasse ao planeta supremo localizado no centro do universo.

(Nº 5) – Eu vou seguir seu conselho, você realmente é muito mais forte do que eu esperava.

E então ele voou até Niko e os dois fizeram o ritual da fusão.

Após uma explosão de energia, Niko5 apareceu na frente de todos, esbanjando o poder mais que necessário para deter o imortal se o mesmo não fosse imortal.

(Niko5) – E lá vamos nós!

E então ele começou a carregar o seu próprio poder para o combate.

Serão eles capazes de destruir Seraphium em ataque múltiplo de ki? Será que eles poderão atacar Seraphium corpo a corpo e destruir sua cabeça e eliminá-lo? E Pandora estará chegando para a batalha e o salvará? E Select já terá chegado ao terceiro imortal?

Não percam o próximo episodio de DragonBall BTU v2: “O monstro com mesmo poder que Select: Viverus”

——————-

Guerreiros Z
Gorin SS7 – 70.000.000.000
Yuki SS7 – 70.000.000.000
Goku Jr. SS3 – 20.000.000.000
Vegeta Jr. SS3 – 210.000.000.000
Niko – 220.000.000.000
Piccolo – 7.000.000.000
N° 10 Ultimate – 450.000.000.000
N° 5 Ultimate – 800.000.000.000
Fusões
Goryuki SS7 – ???.???.???.??? Niko10 – ???.???.???.???.???
Niko5 – ?.???.???.???.???
Inimigos
Seraphium – 1.000.000.000.000
Pandora – ?.???.???.???.???
Viverus – ?.???.???.???.???
Select – ?.???.???.???.???

Posted in 6 - Saga dos Imortais | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 Comment »